Ex-vereador é preso por esquema de fraude em Duque de Caxias

Na manhã desta quinta-feira (8), pelo menos sete pessoas foram presas em uma operação da Polícia Civil em Duque de Caxias. O objetivo era impedir fraudes no fornecimento de água no município. Um dos detidos foi o ex-vereador Francisco dos Santos, o Chico Borracheiro, acusado de envolvimento em um esquema que saqueou do fornecimento de água a escolas públicas e postos de saúde um total de R$ 9 milhões.

Além de Chico, seu filho, Cristiano Cláudio Andrade dos Santos, e sua nora, Monique Helen Garcia Barbosa, também foram presos pela mesma acusação. A ação, nomeada como Operação Imbariê, ainda deteve dois funcionários da empresa Cris Duque de Caxias Transportes Eireli e dois servidores da Prefeitura de Caxias. As sete pessoas envolvidas na operação foram denunciadas pelo Ministério Público (MP-RJ) por estelionato, corrupção ativa e passiva e formação de organização criminosa.

Segundo a denúncia, a empresa Cris Duque de Caxias Transportes firmou quatro contratos no valor total de R$ 8,8 milhões para fornecimento de água potável em carros-pipa para as secretarias municipais de Saúde e Educação. Porém, a água era entregue às unidades de ensino, hospitais e postos de saúde em quantidade menor do que o descrito nas notas fiscais. Mesmo havendo notas assinadas autorizando a cobrança junto à prefeitura, muitas vezes o produto nem chegava às unidades do município.

A empresa tem principal proprietário o ex-vereador Chico Borracheiro, mas a firma está registrada no nome de sua nora, Monique Barbosa. As investigações apontam que o filho do político, Cristiano, foi colocado pelo pai como gerente operacional da companhia. Todos eles, segundo a denúncia, tinham conhecimento das fraudes praticadas.

Os dois funcionários da Cris Duque de Caxias Transportes, Carlos Augusto da Silva Araújo e Fabrícia Carvalho Silva Ares, também participavam do esquema criminoso. Para o MP-RJ, era Carlos quem orientava Fabrícia a confeccionar os recibos fraudulentos.

Além dos mandados de prisão preventiva contra os sete denunciados, a Operação Imbariê também busca cumprir oito mandados de busca e apreensão nas casas dos denunciados, na sede da empresa e na Secretaria Municipal de Fazenda de Caxias. A ação acontece em decorrência da operação Hydra I, que investigava a venda de água imprópria para consumo a escolas estaduais.


Faça Comentários pelo Facebook!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *