Suposta viagem de vereadores de Mesquita foi organizada por empresário condenado por fraude

Mais um escândalo na Câmara Municipal de Mesquita. O SBT Rio divulgou nesta quarta (27) outra reportagem especial denunciando a falta de transparência nos gastos de vereadores com viagens a supostos congressos. Dessa vez, foi descoberto que o empresário organizador do evento que os parlamentares teriam ido, em Fortaleza, responde a vários processos por golpes em parceria com políticos.

O seminário “A atuação do gestor público no combate aos atos de corrupção” foi organizado pela empresa Qualificar – capacitação e treinamento, que tem como proprietário o empresário Clésio Múcio Drumond, que já foi condenado pela justiça de Minas Gerais por fraude envolvendo vereadores da cidade de São José da Lapa. Segundo a denúncia do Ministério Público, os políticos receberam as diárias de forma antecipada, e não prestaram contas das despesas em supostos congressos pelo país. Por coincidência, um dos destinos foi Fortaleza.

Oito vereadores foram condenados em 2015 a ressarcir os cofres públicos em mais de R$ 400 mil, e tiveram os direitos políticos suspensos por oito anos. O mesmo empresário também foi denunciado por montar uma viagem fictícia para vereadores da cidade de Ipatinga ficarem com as diárias. Mais uma vez, o destino foi Fortaleza. E o período coincide com a viagem que teria sido feita pelos vereadores de Mesquita, no recesso de fim de ano.

Durante a data do congresso (de 13 a 17 de dezembro), o vereador e policial militar Vandinho da Gráfica (PMDB) postou em um grupo de WhatsApp que não poderia participar de um evento de futebol em Mesquita porque estava em Resende, no interior do Rio. A postagem foi feita no dia 16. Vandinho enviou à reportagem do SBT Rio o canhoto do cartão de embarque de voo de volta para o Rio, com a data de chegada no dia 17 de dezembro, e alegou que a imagem do grupo de WhatsApp teria sido uma armação feita por uma pessoa mal intencionada.

Apenas seis dos 12 vereadores foram convidados a participar do suposto curso de capacitação em Fortaleza: Professor Max (PPS), que está em seu segundo mandato, Leonardo Andrade (PHS), o ex-Subsecretário de Esportes Pebo Pinheiro (PRB), Russo do Radiador (PHS), o vereador e policial militar Vandinho da Gráfica (PMDB), e o presidente da Câmara, Marcelo Biriba (PRB), que está em seu terceiro mandato. O grupo é o mesmo ligado ao ex-prefeito Gelsinho Guerreiro (PSC), condenado por enriquecimento ilícito. Eles teriam recebido 10 mil reais para ficar quatro noites em um hotel de Fortaleza.

O vice-presidente da Comissão de Finanças da Câmara e primeiro secretário da Casa Legislativa, vereador Roberto Emídio (SD) afirmou que nunca ouviu falar do suposto congresso, e nem foi convidado a participar. “Não tivemos acesso a nada. A gente só soube da viagem depois que já estava sendo realizada. Então, a transparência faltou não só para nós, mas também para a população”, contou. “O gasto, como foi conduzido, o porquê da viagem, têm que ser colocados na transparência. O povo tem que ver o que está acontecendo, e nós também.”

A reportagem completa do SBT Rio pode ser vista em: https://www.youtube.com/watch?v=bYOOqW7k98M 


Faça Comentários pelo Facebook!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *