TCE aponta 25 falhas no edital do lixo em Mesquita

Desde novembro Mesquita está com a coleta de lixo irregular

Foto: Arquivo/Conecta Baixada

Tribunal exige correção na licitação de R$ 11,8 milhões   

O prefeito de Mesquita, Rogelson Sanches Fontoura, o GG, tem até quinta-feira (28) para cumprir as mudanças exigidas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) no edital para a  contratação de uma empresa de coleta de lixo. O prazo foi estabelecido em 29 de março passado durante sessão plenária no TCE.  Seguindo o voto da conselheira-relatora, Mariana Willeman, foram recomendadas 25 alterações no edital de licitação, que prevê o pagamento de R$ 11,8 milhões à empresa vencedora.

Entre as 25 falhas apontadas por técnicos do TCE no edital foram destacadas a falta dos cálculos para aquisição de equipamentos, mão de obra e outros serviços que deveriam integrar a estimativa orçamentária. Além disso, outros problemas foram encontrados, como a incompatibilidade entre os serviços previstos e aqueles que constam da planilha de custo.

Leia Mais:

Mesquita: Fim de contrato com prefeitura põe 80 garis na rua

Polícia prende secretário e subsecretário de Mesquita por crime ambiental

Debaixo do tapete: Prefeitura volta a jogar lixo na Dinâmica

A novela do lixo em Mesquita vem se arrastando desde novembro passado, quando a prefeitura encaminhou ao TCE pedido de parecer sobre o texto de edital que seria lançado para contratar a empresa de coleta para suceder a Inova Ambiental. Na ocasião, os técnicos do TCE identificaram 25 falhas no documento.  Contudo, mesmo depois de mais de 120 dias da primeira decisão do tribunal, nenhuma mudança no edital foi comunicada pela prefeitura ao TCE.

Enquanto a prefeitura não adequar o edital às exigências do TCE, a administração municipal fica impedida de contratar uma empresa para realizar a coleta de lixo na cidade. Resultado: sofrem os moradores das áreas periféricas da cidade, que não contam com coleta regular de lixo domiciliar. Procurada pela reportagem, a prefeitura não se manifestou sobre as exigências feitas pelo tribunal. 


Faça Comentários pelo Facebook!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *